Com um a menos, Sport é dominado e fica com o vice da Copa do Nordeste

por em 25/05/17 às 7:20




O Sport terá de se contentar com o vice-campeonato da Copa do Nordeste. Nesta quarta-feira (24/5), na Arena Fonte Nova, em Salvador, o Leão teve noite infeliz, não se encontrou em campo e foi derrotado por 1×0 pelo Bahia, com gol do atacante Edigar Junio. Atuando com um homem a menos em mais da metade do jogo (Rogério foi expulso aos 32 do 1º tempo), o rubro-negro não teve balas na agulha para reagir, viu a freguesia para o adversário em mata-matas aumentar (O Tricolor de Aço abriu 7×2 de vantagem) e saiu da capital baiana sem motivos para comemorar. Podia, contudo, ser pior. Não fosse pelo goleiro Magrão, que evitou um placar mais elástico a favor dos donos da casa. Com mais um tropeço, o Sport acabou demitindo o técnico Ney Franco. “Quero agradecer muito ao seu trabalho, mas ele não teria mais clima para continuar no clube”, disse o vice-presidente de futebol, Gustavo Dubeux.

Nos primeiros minutos, o jogo parecia um duelo de Xadrez, com as duas equipes se estudando e buscando a melhor estratégia para atacar. Apesar da tensão, o ritmo ia se soltando aos poucos. Aos 5, depois de cruzamento da direita de Edigar Junio, Régis apareceu livre na marca do pênalti para cabecear. E cabeceou, mas o a bola saiu acima da meta de Magrão, na primeira finalização da partida.

Em meio à crise de nervos, o Bahia conseguiu traduzir a superioridade em números. Aos 12, Edigar Junio recebeu livre na entrada da grande área e se desvencilhou da marcação de Durval, antes de tocar com categoria na saída de Magrão para abrir a contagem na Arena Fonte Nova: 1×0 a favor do Tricolor de Aço. Pouco depois, o meia Régis, ex-Sport, quase aumentou a via crucis do Leão. O camisa 10 fez grande jogada pela direita e bateu firme. A bola “morreu” na rede pelo lado de fora.

Em desvantagem no placar, o Sport tentou evitar o pior. Buscou trocar passes com paciência, mas era quase sempre “engolido” pelo adversário atuando em reduto baiano. Quando o Leão conseguiu chegar ao ataque, Diego Souza ganhou a disputa e a bola sobrou para Rogério. O camisa 17, que havia sido advertido anteriormente com o cartão amarelo por se estranhar com Régis, recebeu o cartão vermelho e foi para o vestiário mais cedo.

Com um homem a menos, a reação ficou mais difícil. O Sport ainda buscou agredir, principalmente em bolas paradas, mas faltou perna. Do outro lado, o Bahia parecia satisfeito com a vantagem parcial no placar e trocava passes sem muito ímpeto até que o fim da primeira etapa.

No segundo tempo, o Sport voltou com duas mudanças no time: Marquinhos e Everton Felipe entraram nas vagas de Raul Prata e Fabrício, respectivamente. De imediato, nada foi alterado. Com um homem a mais em campo, o Bahia tomou de vez as rédes da partida. Rondava a grande área do Sport e buscava o melhor momento para dar o rebote, que àquela altura, poderia ser fatal.

O meia Régis, um dos principais destaques do jogo, começou a levar o Bahia nas costas. Aos 10, o camisa 10 recebeu passe em profundidade na entrada da área e bateu firme, de perna direita, obrigando Magrão a trabalhar para afastar o perigo. E o camisa 1 do Leão voltaria a trabalhar novamente. Depois do contragolpe, Zé Rafael avançou pela esquerda e tentou o arremate. Magrão fez grande defesa para evitar o segundo do Tricolor de Aço.

A primeira finalização do Sport na etapa final veio no melhor momento do Bahia na partida. André rolou para Everton Felipe pela direita. O prata da casa leonino bateu cruzado e o goleiro Jean fez a defesa. Depois daí, o Tricolor de Aço teve uma sequência de grandes chances, mas não conseguia fazer o segundo, deixando parte da torcida baiana impaciente.

Percebendo a brecha, o Sport tentou se lançar ao ataque visando o empate, que levaria a decisão para os pênaltis. Ney Franco encheu o time de atacantes, colocando Leandro Pereira na vaga do volante Ronaldo. Não foi suficiente o Bahia festejou o título.

Ficha Técnica

BAHIA
Jean; Eduardo, Tiago, Lucas Fonseca e Armero; Edson, Renê Júnior (Juninho), Régis (Matheus Sales) e Allione; Zé Rafael (Gustavo) e Edigar Junio.
Técnico: Guto Ferreira.

SPORT
Magrão; Matheus Ferraz, Henríquez e Durval; Raul Prata (Marquinhos), Ronaldo (Leandro Pereira), Fabrício (Everton Felipe), Diego Souza e Mena; Rogério e André.
Técnico: Ney Franco

Local: Arena Fonte Nova, em Salvador. Horário: 21h45. Árbitro: Francisco do Nascimento (AL). Assistentes: Esdras Mariano Albuquerque e Rondinelle Tavares (ambos de AL). Gols: Edigar Junio, aos 12 minutos do 1º tempo. Amarelos: Rogério, Leandro Pereira, Ronaldo e Marquinhos (SP) Régis, Renê Júnior e Edson (BA) Vermelhos: Rogério, Lenis e Ronaldo (SP). Público: 41.175 Renda: R$ 1.620,453,50