Sport volta a mostrar desorganização tática e perde para o Goiás

por em 23/10/14 às 18:17




Não tem como fugir dele: Quem não faz, leva. O ditado, quase tão antigo quanto o próprio futebol entrou em campo na Ilha do Retiro aos 44 e meio do segundo tempo para dar ao Sport sua segunda derrota seguida na Ilha do Retiro em jogo que poderia ter feito até mais de um gol já no primeiro tempo. O algoz foi o Goiás, que venceu por 1×0 na noite desta quarta-feira (22). Apesar de não somar pontos o time pernambucano não perdeu posições. O time manteve o 12º lugar com 37 pontos, seis à frente da zona de rebaixamento e na próxima rodada encara o Atlético Mineiro, em Belo Horizonte.

Apesar de jogar com três atletas no setor ofensivo, o Sport não exerceu a marcação pressão que se esperava para um time que precisava da vitória a qualquer custo. Mesmo assim, os leoninos levaram vantagem porque o Goiás mantinha-se em seu campo defensivo, armado para o contra-ataque. O time da Ilha encontrou uma boa válvula de escape pelo lado direito do ataque. E não foi com Patric. Felipe Azevedo criou duas ótimas oportunidades para Ibson e Diego Souza. Ambos concluíram fraco e em cima do goleiro Renan.

Aos poucos, o time da casa conseguiu adiantar um pouco o bloco defensivo e jogar mais no campo do Goiás. O problema é que havia uma dependência de Felipe Azevedo e Diego Souza. Quando a bola passava por Renê, Patric ou Ananias a jogada não tinha a mesma sequência. Por isso, a bola girou muito no círculo central, última região que os jogadores rubro-negros tinham espaço.

Dali para trás, o Goiás fechava os corredores laterais e central conseguindo até dobrar a marcação em alguns momentos. Por isso, em alguns momentos, o passe final era sempre bloqueado. O time voltou a envolver os goianos quando trocou passes em velocidade no último minuto da etapa até Patric servir Ibson. O camisa 80 driblou Pedro Henrique mas concluiu em cima de Renan, que, justiça seja feita, saiu bem do gol.

Na volta para o segundo tempo, o Goiás voltou com Lima no lugar de Felipe Saturnino e um posicionamento completamente diferente da etapa inicial. O técnico Ricardo Drubscky deixou dois jogadores abertos nos lados do campo e dificultou a saída de jogo do Sport. E o efeito veio logo aos três minutos. Esquerdinha recebeu de Lima e avançou pelo meio sem ser pressionado até chutar por cima, na linha frontal de grande área.

Esse novo Goiás deixou mais espaço para o Sport entre o meio e o ataque. O problema é que faltou mobilidade para Ananias, Felipe Azevedo e Diego Souza. Mesmo assim, os leoninos conseguiram chegar perto mais uma vez, numa tabela entre Renê e Ibson. Este último, mais uma vez, chegou cara a cara com o goleiro e finalizou fraco.

Vendo que o time precisava acelerar e desmarcar-se, o técnico Eduardo Baptista tirou Ibson e Felipe Azevedo para entrar com Neto Baiano e Érico Júnior, respectivamente. Diego Souza passou a jogar mais centralizado, exercendo a função de Ibson. O Goiás recuou seus dois homens dos lados do campo e voltou a esperar os pernambucanos. A partida ficou feia porque como estava com um centroavante fixo e o tempo acabando o Sport procurou acelerar o jogo na base da bola longa e pouco levou perigo.

O jogo se encaminhava para um antipático 0x0 quando o castigo chegou para o time da Ilha. Aos 44 e meio, Lima cruzou da esquerda e Esquerdinha, que perdera uma grande chance lá no início da primeira etapa, concluiu rasteiro. A bola passou entre as pernas de Magrão.

Ficha do jogo:

Sport: Magrão; Patric, Henrique Mattos, Durval e Renê; Rodrigo Mancha, Ronaldo e Ibson (Neto Baiano); Felipe Azevedo (Érico Júnior), Ananias (Danilo) e Diego Souza. Técnico: Eduardo Baptista.

Goiás:  Renan; Felipe Macedo, Jackson, Pedro Henrique e Felipe Saturnino (Lima); Rodrigo (Ramon), David, Thiago Mendes e Esquerdinha; Erik e Samuel (Tiago Real). Tcnico: Ricardo Drubscky.

Local: Ilha do Retiro, Recife (PE). Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ). Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia e Gilberto Stina Pereira (ambos do Rio de Janeiro). Gols: . Cartões amarelos: Felipe Macedo e Jackson.

Redação MeuSport
Com informações do Blog do Torcedor